Você Recebeu uma Mensagem (Verdadeira ou Falsa)

Durante a YLAI 2017, em Charlottesville, eu tive a oportunidade de ministrar um curso sobre reuniões eficazes para a equipe do Teatro Paramount. A mesma responsabilidade que eu tenho com as informações que compartilho com meus clientes durante os cursos, eu levo para o que publico nas redes sociais, envio por aplicativos de mensagens, falo em conversas, etc.

Por: Lygia Pontes

Há muitos anos, quando eu estudava inglês, uma das atividades que mais gostava era “Verdadeiro ou Falso”. Descobrir se a informação apresentada era real ou não era algo que me encantava. Eu precisava verificar o que era apresentado, o contexto, etc. Atualmente, apesar de não ter mais aulas de inglês, sinto que faço esse exercício todos os dias: se pudesse listar as palavras e expressões que mais tenho escutado ou lido, “fake news” estaria no topo dessa relação.

O universo digital é incrível, já que temos acesso a muitas informações. Mas não podemos
esquecer o mundo dos livros. Conhecimento é adquirido de diferentes fontes e meios.

Embora o contato com informações falsas sempre tenha feito parte da minha rotina – e tenho certeza que da de todo mundo – isso se tornou um problema mais grave por causa da tecnologia, mais especificamente devido às redes sociais e aos aplicativos de mensagens, já que permitem que as informações sejam compartilhadas com muita rapidez.

Apesar de as empresas de tecnologia e os governos estarem tentando acabar com a propagação das “fake news”, eles ainda não conseguiram fazer nada concreto. É por isso que as pessoas também precisam se responsabilizar por elas. No meu caso, posso agradecer a minha formação em Relações Públicas, pois lidar com informações (verdadeiras ou falsas) era parte da minha rotina e aprendi como evitar fake news.

Ultimamente, embora eu não trabalhe mais diretamente com comunicação, tenho usado minha experiência para auxiliar minha comunidade e clientes a se manterem informados e longe das fake news. Eu enxergo isso como parte do meu papel como cidadã. Não é uma tarefa fácil, mas eu uso as perguntas a seguir para me ajudar:

  • De onde recebi essa informação?
  • Essa fonte é confiável?
  • Existe outra fonte confiável que pode confirmar essa informação?
  • Existem vídeos ou fotos confirmando a informação?
  • A informação foi verificada por sites de checagem de fatos?

Se a resposta para uma das perguntas for não, a informação não deve ser compartilhada. Também é importante dizer que quem dissemina “fake news” pode ser processado uma vez que pode prejudicar a vida das pessoas e a reputação de instituições.

Responder todas essas perguntas pode ser um desafio, principalmente quando lemos ou ouvimos algo que desperta sentimentos intensos. Caso isso aconteça com você, respire fundo e tente respondê-las. Se mesmo assim não conseguir, ignore a mensagem e concentre-se em algo importante, como seu trabalho, sua família, sua comunidade, ou seja, algo que vai gerar um benefício real a você.

Lygia Pontes é assessora, consultora e palestrante em Felicidade e Eficiência na Esfera Profissional da Lygia Pontes Consultoria. Ela também é professora de Networking na ESPM – SP. Em 2017, Lygia participou da YLAI (Iniciativa Jovens Líderes das Américas) e foi selecionada para a Cúpula de Empreendedorismo Global (GES), na Índia.

This article is available in English.